Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Muito me contas

Blog sobre a actualidade, a vida e sempre com uma pitada de positividade!

Muito me contas

Blog sobre a actualidade, a vida e sempre com uma pitada de positividade!

Cada um de nós tem a sua história.

2015-2 (1).png

Olhamos para alguns anúncios numa revista de moda ou lifestyle e podemos ver a imagem de uma família em convívio (ou em pose). Pais e filhos, netos e avós, tios e sobrinhos.  Podemos ainda ver os cachorros deitados sobre a relva do jardim ao lado dos primos. 

Qual a nossa história? 

Todos nós temos uma história - a nossa, que se divide por vários caminhos, emoções e experiências. Todos nós temos um tempo e oportunidade.

A nossa história é bem diferente da que podemos interpretar destas imagens que descrevi. Na nossa história entram e saem pessoas (há quem diga que ficam as mais importantes, vá-se lá saber). Há quem tenha perdido um filho, uma filha, um pai ou uma mãe. Há quem tenha perdido uma oportunidade de emprego e há quem se tenha arrependido de ter tido certa atitude. Há, ainda, quem não tenha concluído um projecto ou tenha saído prejudicado de algum. Há quem tenha passado por um divórcio e há quem tenha passado pela separação dos pais. Há quem tenha tido dificuldades na vida e esteja longe da família e amigos. Há quem tenha tido uma desilusão amorosa e há quem tenha perdido uma boa amizade. Há quem tenha ou esteja a enfrentar uma doença. Há quem tenha passado por uma ou muitas injustiças... Mas no meio destes caminhos atribulados, há caminhos bem sucedidos e que sobressaem a estes. No meio destas emoções sofridas, destes choros e destas angústias, existem sentimentos de alegria, de esperança, de fé e de comunhão. No meio destas experiências que tanto nos ensinaram, prevalece o que fica - o mais importante - essa mesma aprendizagem e outras, outras experiências das quais temos tão boas memórias: o nascimento de um filho ou filha acompanhado dos seus primeiros passos, palavras e atitudes, o nosso primeiro dia na escola ou o resultado dessa fase, a carta de condução, o diploma do curso terminado, o primeiro emprego, uma tarde bem passada, um fim-de-semana com o namorado ou namorada, o pedido de casamento, o casamento, a primeira casa depois da casa dos pais, o natal e aniversários com familiares e amigos. Se pensarmos bem, a lista é infindável. Assistir ao nascer e ao pôr-do-sol. Olhar para o mar. Correr à chuva. Passar uma tarde na praia. Assistir ao brilhar da lua. Comer um gelado. Beber um chocolate quente. Estar numa esplanada com amigos. Ler um livro junto à lareira. Receber um sorriso de um estranho. Ver um álbum de fotografias antigo. Quem diria, há coisas (muito) boas na vida!

Dizem que o tempo tudo cura e é verdade. O tempo tem a fantástica capacidade de apagar a raiva, a mágoa, a tristeza e de nos trazer de volta. De volta para agarrarmos uma oportunidade que veio até nós e a qual não podemos deixar fugir.

Muito vos contei? Qual a sua história?...

 

 

Maria Inês,

Muito me contas